17 de maio de 2007

TATOS



porta do fluxo contínuo {ligiaprotti}


















Isso que me sai
como gozo entre as pernas
de fluido róseo
doce sumo da fruta
é quente e chega feito lavra

Estilhaçar de cactos
tontos espasmos
alvorada
isso que me sai
buscando-me completa

Espectadora de mim mesma
me avisto, leve, cálida, tímida
me avisto e me perco
sangria e grilhões através dos montes

Carrego o mundo entre as pernas




21/12/06

Um comentário:

thai angelo disse...

Que coisa mais linda.
O mundo entre as pernas...
Às vezes pesa, não pesa?