27 de agosto de 2008

Fiz da madrugada, descoberta
espelho, silêncio, mil tons soando
internamente vermelho cereja apenas

fruta que volta a tornar-se madura flor
exalando cheiros, temperos de mil e uma noites
negando gratuitos prazeres , querendo a nudez bacante após versos de Dante

sonhei, sonhei, no céu estrelas bandeiras
pra me guiar, quatro luas
e bocas líricas.

Um comentário:

D disse...

qual o significado da conversão de fruta em flor? Não entendi muito bem o poema.

O texto parece ser uma jornada ou epifania de descoberta,muito possivelmente interna, no qual é operada tal conversão.

A menção de estrelas e o guiar parece remeter a um distanciamento entre sujeito e objeto. A negação do prazer parece remeter a mesma idéia. Tangencialmente pode-se inferir do distanciamento algum tipo de contraste tornado explícito pela espiritualidade de Dante e a carnalidade de Baco.

O quadro geral que me é pintado tem matizes de anseio, antecipação, mas também de altas expectativas. Mas tudo meio impreciso, como o balbuciar de bocas oníricas.